10 de março de 1804: os franceses deixam a Louisiana aos americanos

Compra da Louisiana em 1804

Até 1804, os franceses eram donos de cerca de um terço das terras que compõem hoje os Estados Unidos. Pelo menos no papel. Era a Luisiana, obviamente batizada em homenagem ao rei (houve 18 Luís coroado na França), no caso particular, era o XIVº que estava no trono.

O território era muito maior que o atual estado da Louisiana, como mostra o mapa. Basicamente, ele seguia o rio Mississipi, o segundo maior dos Estados Unidos perdendo por pouco do traçado original do Missouri, que é um de seus afluentes. E como os franceses aterrissaram em New Orleans, no golfe do México? Seguindo o rio desde sua terras do Canadá!

Os espanhóis, que estavam no Caribe desde Colombo, foram os primeiros a descobrir a foz do Mississipi, e tentaram explorar suas margens ainda no século XVI. Mas os franceses tinham a vantagem de só ter que seguir o movimento do rio descendendo das terras do norte, onde estavam estabelecidos em torno dos grandes lagos.

E assim fizeram em 1682, liderados por René-Robert Cavelier, mais conhecido como Senhor de La Salle (sem conexão familial com seu contemporâneo e conterrâneo São João Batista de La Salle, fundador das escolas lassalistas), um aventureiro estabelecido em Quebec e que com um pequeno grupo de menos de vinte pessoas desceu o rio de canoa.

Chegando ao golfo do México em três meses, ele reivindicou as terras dos dois lados do Mississipi (incluindo o Missouri) para a coroa francesa. Façanha pela qual não foi bem recompensado por Luís XIV, que estimou havia “pouco valor” neste tal de rio, e que “o senhor de La Salle deveria se abster de fazer este tipo de descobertas no futuro”.

As guerras entre franceses, espanhóis e ingleses no Século XVIII fizeram as terras da Luisiana muar de nacionalidade ao sabor dos tratados. Mas em 1804, é de fato o Imperador francês Napoleão que é reconhecido como mandante no território. Sua apreciação do Mississipi não devia ser diferente do Rei Sol, e à primeira solicitação dos estadunidenses recém independentes, ele respondeu muito favoravelmente. Seu interesse era europeu, e seus cofres ávidos por dinheiro.

Assim foi vendida a grande Louisiana em 10 de março de 1804 (a data corresponde de fato à saída dos franceses, a venda foi feita em 1803), como foi contado nos Cabeças da Notícia em 10 de março de 2021 a seguir >