1º de março de 1932: levaram o filho do herói nacional

O feito extraordinário já tinha cinco anos, mas a fama de Charles Lindbergh não tinha diminuído. Em palestras e viagens nos quatro cantos do país, o destemido aviador recebia as devidas homenagens ao ato de bravura: ser o primeiro a atravessar o Atlântico sozinho, num avião monomotor, sem escalas. Uma viagem de 33 horas.

Em 1932, Charles tem trinta anos e apesar da agenda superlotada, sempre encontra um tempo para brincar com seu filho mais novo, Charles Jr, que tem 20 meses. O fim de tarde de 1º de março, o pai está trabalhando no escritório, a mãe tomando banho, quando a babá inglesa percebe que o berço do menino está vazio.

Quando o aviador sobe ao quarto da criança para verificar a situação e encontra um bilhete pedindo US$ 50 mil, começa uma novela trágica que foi considerada nos Estados Unidos como “o crime do século”, em razão da notoriedade da família e da comoção que sempre inspiram as maldades com criancinhas.

Confira a história do rapto de Lindbergh Jr nos Cabeças da Notícia da Rádio Metrópoles de 1º de março de 2021 >